quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Precisamos entrar no Séc. XXI!

Por que o Brasil é um país caro, improdutivo, desorganizado e injusto?

Somos um país estranho, os brasileiros que realmente trabalham,

(1) trabalham mais horas, em média, do que um americano;
(2) pelas mesmas horas de trabalho, ganham, em média, menos do que um americano;
(3) quando vão comprar algo, pagam mais do que paga um americano pelo mesmo produto.

Por que isso acontece? Porque a produtividade de nossa economia é muito pequena. Cada hora de trabalho de um trabalhador brasileiro produz menos, em média, do que uma hora de trabalho de um trabalhador americano (*), ou japonês ou alemão. Isso nos torna um país mais caro!

Imagem relacionada

Os brasileiros em idade ativa que não trabalham ou que fingem que trabalham - não os merecidamente aposentados ou os que procuram desesperadamente um trabalho e não encontram -, adoram viver de benesses e facilidades usando a riqueza e a renda produzida pelos que trabalham. São a imensa massa de caroneiros (“free riders”) da sociedade brasileira.

Estes são os que se acostumaram com o assalto ao Estado e com a corrupção, beneficiários e maiores interessados na preservação da cultura patrimonialista e do corporativismo, o que nos torna um país ainda mais caro. Como podemos nos desenvolver, se existe tanta gente mamando nas tetas magras da viúva e do trabalho de outros brasileiros sem dar qualquer contrapartida?

Quer pistas para encontrá-los? Comece, então, pela pesada carga tributária, pela máquina do Estado super-gastadora, pelos altos custos dos legislativos e do judiciário, continue pelos subsídios e isenções para as empresas protegidas e termine nas altas taxas de juros do sistema bancário! E você, pessoalmente, não terá dificuldade de encontrar desvios por toda parte. Aí estão as veias abertas!

Como pode sobrar o suficiente para investir em educação, em saúde, em segurança, em ciência e em tecnologia, se somos tão improdutivos, desorganizados, corruptos e aproveitadores?

O Brasil precisa realmente de uma revolução, não as que propõem as ideologias sectárias de direita ou de esquerda, como ainda defendem alguns, que não se desprenderam de velhas ideias dos séculos XIX e XX e que, vozes do atraso, em nome delas, defendem novos confrontos, guerras, ódios, bodes expiatórios e matanças!

Essa revolução deve ser fundamentada na única fonte do progresso em todos os tempos, que é o trabalho duro produtivo e organizado; no Séc. XXI, mais do que nunca, não se chegará a lugar nenhum se não for baseado no conhecimento, na ciência e na tecnologia.

E porque não, no compromisso com uma verdadeira radicalidade democrática, para construir um país de igualdade de oportunidades e socialmente justo, e no qual não existam, doa a quem doer, brasileiros acima da lei.

___________
(*) Como corolário se pode dizer que um trabalhador americano, em média, trabalha menos horas, ganha mais por cada hora trabalhada e paga menos pelo mesmo produto que compra. Em síntese: os americanos trabalham menos, ganham mais e pagam menos. Como isso é possível? A resposta é a produtividade de cada hora de trabalho do trabalhador americano; ou seja, em cada hora de trabalho, em média, o trabalhador americano produz mais.

sábado, 19 de janeiro de 2019

A ESPERANÇA TRAÍDA

Vale a pena recordar este texto do jornalista Elson Rezende de Mello publicado no dia 18/01/2018. Certamente, embora ele tenha sido postado há um ano no Facebook, ele continuará não agradando a muitos; porém, cada vez ele é mais aceito, e se revela mais correto, por ser um honesto retrato de um momento de nosso país.

A traição de Lula e do PT nos legou Bolsonaro, um fantasma portador de uma ideologia simétrica à da esperança traída, mas tão irracional quanto!

A imagem pode conter: desenho

De Elson Rezende de Mello:


"Lula vive suas circunstâncias, que prendem a atenção de todo o país neste começo de ano eleitoral. É herói, mito que se desconstrói dia após dia, com bastante contribuição dele, do que fez de sua trajetória esperançosa e mesmo heroica. Mas é figura que vai se apequenando com o passar do tempo, e de suas próprias intervenções.

Tiveram, ele e seu partido, tudo para poder alavancar o país para outra rota, mas seu caminho ao poder foi de acomodação, de ir jogando pela borda todo o lastre de transformações possíveis que carregavam. E no poder se encantaram com o charme nada discreto da burguesia, se submeteram gostosamente às elites que tanto impugnavam, e foram inoculados pelo doce veneno da ambição e da corrupção.

E traíram os trabalhadores, cooptaram os movimentos sociais, os sindicatos, e os domesticaram. E com Lula à cabeça não fizeram uma única transformação estrutural que apontasse verdadeiramente para um futuro de igualdade e justiça social.

Serviram às elites econômicas e sociais, com uma retórica que ajudava a conter a insatisfação social. Quando não deu mais, essa mesma bajulada e bem servida elite se desfez do lulopetismo com a maior facilidade, porque os rastros de seu banquete com ela estavam por toda parte, como já disse um prócer do petismo, se lambuzaram no mel.

E Lula está aí, às voltas com processos sobre sítios, tríplex, recebimentos de vantagens diversas e as omissões que permitiram tanta esculhambação na República. Não consegue se safar com a tranquilidade dos que não têm nada a temer, e se consome em ódios e rancores.

Quer voltar à presidência do país. Além do foro privilegiado, a que mais pretenderia, com sua retórica repetitiva, rasa e sua falta de projeto para o país que tenha substância e signifique sair da crise, incubada já no seu governo e agudizada num governo de um vice presidente que foi feito justamente por ele e sua criatura?"

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Medindo o tamanho do campo democrático

O processo de apuração eletrônica, confiável, nos permitiu participar da festa da democracia de forma exemplar. Pelo menos neste aspecto. Mas não se pode deixar de registrar que vivemos em um país dividido. 

A massa crítica da explosão está constituída. Milhões de democratas votaram em Haddad ou Bolsonaro sem que realmente gostem, conheçam ou confiem em seus projetos. Uns, por temerem mais aos valores representados pelo bolsonarismo; outros, por não suportarem mais as práticas antiéticas do lulopetismo. Os que se opõem a esses "projetos" precisam entrar em cena. Qual o seu peso junto ao eleitorado?

Na natureza física, o acúmulo da massa crítica radioativa produz a explosão nuclear; na sociedade, o acúmulo de irracionalidade nascido do confronto radical entre anti-projetos produz a escalada da violência e a explosão social.

Paradoxalmente, Haddad recebeu muitos votos antipetistas, mas que eram, mais ainda, antibolsonaristas. Bolsonaro recebeu muitos votos antibolsonaristas, mas que eram, mais ainda, antipetistas. Este fenômeno é ilustrado na figura abaixo: 


Os votos de Bolsonaro, Haddad, Abstenções e os Votos Nulos e Brancos são representados por áreas e cores proporcionais ao seu peso percentual. A figura foi construída com os dados oficiais divulgados pelo TSE na tarde do dia 29/10/18 (ver quadro anexo). 

Observe: a área azul, dos votos de Bolsonaro, possui uma sub-área hachurada, que representa os que votaram em Bolsonaro, sem gostar dele, para afastar o risco do PT voltar; a área laranja, dos votos de Haddad, possui uma sub-área hachurada, que representa os que votaram em Haddad, sem gostar dele, na expectativa de impedir a vitória do “bolsonarismo”. Qual o tamanho dessas áreas hachuradas? Alguns a representariam bem maior. Importante registrar, entretanto, que essas áreas hachuradas azul e laranja não são de eleitores, respectivamente, "de raiz", de Bolsonaro ou de Haddad.

Um estranho tipo de voto esses hachurados! Por serem, simultaneamente, contrários ao bolsonarismo e ao lulopetismo, eles deveriam fazer parte dos votos nulos e brancos (5,84% + 1,69% = 7,53%), que têm exatamente este conteúdo, o dos eleitores que repudiaram a ambos os candidatos. Infelizmente, está perdida essa informação que seria extremamente útil estatisticamente para a conformação do quadro partidário não lulopetista que fará oposição a Bolsonaro. Admitamos, por baixo, que sejam cerca de 5% esses votos hachurados, e que, dentre as abstenções, aproximadamente 10% (a metade de 21,30%) serão, doravante, oposição. Portanto, o campo não lulopetista que fará oposição a bolsonaro terá o tamanho de aproximadamente 22,53% (7,53% + 5% + 10%) do eleitorado, o que corresponderá a aproximadamente 33 milhões de eleitores. Nada mal para começar!

É extremamente importante Bolsonaro ter clareza de que esses 33 milhoes de eleitores que não apoiam nem ao seu projeto nem ao do lulopetismo, somados aos votos dos que apoiam (de raiz) ao lulopetismo são potencialmente de oposição ao seu governo, e superam, de muito, a soma de votos de seus apoiadores. E esses mesmos 33 milhões de eleitores somados aos votos dos que apoiam (de raiz) ao bolsonarismo superam, de muito e em pelo menos mais 10 milhoes de eleitores, aos apoiadores do lulopetismo. Esta é como uma fotografia instantânea tirada no dia 28/11/18. Mas todos sabem que a política, como as nuvens, é dinâmica e move-se, apresentando-se cada vez de uma forma diferente!

Alguns chegariam a estimar que a expressão política deste posicionamento - simultaneamente anti-bolsonarista e antilulopetista - superaria à própria votação obtida por Bolsonaro. A conferir.

Os resultados extraídos das urnas mostram que foi o antipetismo que preponderou na sociedade. Exatamente por isso Bolsonaro venceu! Mas foi, também, uma eleição dominada pelos anti-projetos! Teremos quatro anos para fazer gestar, com uma clareza ainda não alcançada, o projeto do centro democrático e reformista!

É necessário, portanto, fazer baixar essa bola, particularmente a do vencedor, que passará a exercer o poder político e que será obrigado a fazer o difícil exercício (para ele) de ser o presidente de todos os brasileiros, sem querer impor as suas atrasadas concepções ideológicas. Existem sérias dúvidas de que ele vá conseguir ser o estadista que o Brasil precisa. Mas foi eleito democraticamente e os cidadãos esperam isso dele. É necessário, também, acabar com essa história do “prendo e arrebento” e tentar ganhar a confiança de um Brasil que saiu dividido da eleição. Sobretudo, porque, além da boa vontade cívica e democrática, e o desejo de todos de que superemos a grave crise, Bolsonaro não está recebendo um cheque em branco da sociedade brasileira, particularmente para realizar os seus mais perigosos propósitos declarados! 

_________



quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Porque o Centro Democrático e Reformista fracassou?

Vamos falar claro, não fomos, os democratas, antipetistas suficientemente! O que significa dizer, não fomos suficientemente radicais em nosso projeto de formação de um polo democrático e reformista.

Para sê-lo, e sermos para a sociedade um polo alternativo de grande impacto e credibilidade, o nosso projeto e posição precisaria ter se tornado claro, sem dubiedades e fácil de ser entendido.


Não o conseguimos até agora, e é preciso reconhecer que foi o “bolsonarismo” que ocupou esse espaço! O grave, para o Brasil, são os seus aspectos regressivos, traduzidos nos seus valores irracionais, autoritários e intolerantes, de um não-projeto, sequer esboçado formalmente, mas baseado em medos e falsos dilemas, que não resistirão ao tempo e não passarão pelo teste histórico, mas que são a matéria prima do fascismo.

O bolsonarismo representa a descrença na democracia e, lamentavelmente, para muitos jovens, ele é como o herói vingador que sai de dentro de um vídeo game, pronto a usar de toda a violência para exterminar os inimigos e os alienígenas. No Brasil, os inimigos principais são uma mistura confusa de políticos, comunistas, corruptos e diferentes. Ao final e ao cabo, não fugirá à regra da histórica desigualdade: os que pagarão a conta serão os pobres, as mulheres e os negros.

Se o bolsonarismo chegar ao poder trará muito sofrimento, particularmente à maioria da população e às camadas sociais desprovidas de poder; e sabe-se lá quanto tempo essa onda do atraso permanecerá!

Onde os democratas erraram? Penso que não conseguimos nos libertar de uma concepção do Estado não oligárquico, corporativista, conivente e leniente com o patrimonialismo. Tornamo-nos um país caro, improdutivo e corrupto. Neste sistema o valor das pessoas deixa de ser fruto do mérito e do reconhecimento social, e muito mais da esperteza, dos títulos cartoriais e dos sinais de riqueza que ostente!

Claro, num país assim deixa-se queimar museus, e pouco valor se dá ao conhecimento, à ciência e às inovações tecnológicas. Tornamo-nos um país de predadores egoístas, distraídos e omissos com os crimes ambientais e contra o nosso patrimônio público, histórico e cultural, que se perpetram à nossa volta diariamente!

As nossas instituições políticas e a nossa justiça são corrompidos e desacreditados, e temos sido coniventes com os criminosos de colarinho branco. Parece que a política deixou de ser a arte de cuidar do bem comum!

Mas um novo Brasil anseia por nascer! É preciso desbloquear a nossa democracia e criar uma sociedade em que não hajam cidadãos acima da lei!

Quando a Lava-Jato surgiu, como fenômeno novo, vindo de baixo, de renovação, conduzido por jovens profissionais da justiça, PF’s, procuradores federais e juízes de 1ª e 2ª instâncias, desnudando a corrupção dos poderosos, com provas, fatos e evidências, e usando a lei, a cidadania apoiou e aplaudiu.

Tudo parecia ir bem enquanto a Lava-Jato serviu como fornecedora de provas para o combate à corrupção petista, servir de pano de fundo para o impeachment de Dilma, para os processos que levaram à condenação e prisão de empresários e políticos corruptos ligados a esse projeto, de dirigentes do PT e, finalmente, diga-se, para a justa condenação e prisão de Lula.

Mas isso mudou quando os processados passaram a ser políticos e partidos não alinhados com o projeto petista! De repente, os que continuaram combatendo a impunidade começaram a ser chamados de “lacerdistas” e “jacobinistas”.

Estranhamente, formara-se uma aliança tácita suprapartidária e supra-ideológica para combater a Lava-Jato!

E Alckmin, um político com méritos indiscutíveis, não conseguiu ficar à margem de uma dubiedade prática e de discurso pois o seu partido, o PSDB, revelou-se tão envolvido com a corrupção quanto o próprio PT. Finalmente, no processo eleitoral, ao aliar-se aos partidos do centrão, que foram a base parlamentar dos governos petistas, e notórios assaltantes do Estado, essa dubiedade ficou mais do que evidente. O que passou para a sociedade é que Alckmin tentava restaurar um sistema de poder petista sem PT! Aparentemente, os eleitores estão preferindo o original!

Portanto, a chave da questão está em que os anseios de mudança, e a indignação com o crime organizado e a violência, foi capturada pelo discurso de direita e atrasado de Bolsonaro!

Esta é a razão pela qual o centro democrático e reformista não conseguiu ter um discurso marcado pela clareza e ausência de dubiedades!

Temos pouco tempo, o quadro eleitoral está polarizado pelos projetos populistas e autoritários lulista e bolsonarista. Dará tempo de mudar? Alguns dirão que já é tarde; respeitarei! Sei apenas que não podemos ficar sentados à beira da estrada! Comecemos falando a verdade para o eleitor! Talvez isso já faça a diferença!

domingo, 3 de junho de 2018

As lições da greve dos caminhoneiros

Nós, os democratas, teremos que carregar essa "mala" de desesperança - o presidente Michel Temer - até o seu sucessor. Por mais que isso seja desconfortável e quase insuportável a alguns, a milhões ou a todos nós, isso é o melhor, institucionalmente, para o país. Esse é o preço a pagar, como o remédio amargo, para que a partir de 1º de janeiro de 2019, com um novo presidente e um novo Congresso eleitos, o Brasil retome a sua caminhada esperançosa para um futuro melhor.

Pera aí, você está dizendo que teremos que aguentar Temer como presidente, um legado da era petista no poder, até o dia 31 de dezembro de 2018? Afinal, ele não representa a velha política com suas práticas corruptas e fisiológicas, e ele mesmo, não tem contribuído para aumentar ainda mais o descrédito da política e dos políticos?  

Exatamente isso, pois na democracia a derrubada de presidentes da república somente pode dar-se no pleno respeito às normas constitucionais e legais do Estado Democrático de Direito. Três já foram as oportunidades perdidas para nos livrarmos de Temer constitucionalmente. A primeira foi quando o TSE, em 9/6/17, deixou de cassar a chapa Dilma-Temer; as outras duas foram em 2/8/17 e em 25/9/17, quando a Câmara dos Deputados negou a admissibilidade para que ele fosse julgado pelo STF. Todos acompanharam e formaram suas opiniões.

Entretanto, às vésperas do processo eleitoral, e a poucos meses do término do seu mandato, o que o país precisa, agora, é de tranquilidade e não de rupturas institucionais. 

Felizmente a luta contra a impunidade tem avançado muito em nosso país, começando com o mensalão e agora, desde 2014, com a Lava-Jato. Alguns dos mais poderosos políticos e empresários já estão condenados e presos. Temer, após concluir o seu mandato, assim como Lula, responderá à justiça.

Mas se a descrença, filha da desesperança não é, exatamente, a razão pela qual se vê crescer, em pleno século XXI, os que descreem da democracia e clamam por soluções autoritárias? E não é esse descrédito da política, no Brasil, que alimenta as candidaturas populistas, autoritárias e regressivas, como são as do lulopetismo e do bolsonarismo, que olham pelo retrovisor da história e se alimentam de velhos medos, idéias e filosofias?


Pois bem, vejamos como as lições trazidas pela greve dos caminhoneiros podem nos ajudar a aperfeiçoar a nossa democracia. Ela evidenciou, claramente, as concepções que apostam no caos, quando, unidos na prática, o lulopetismo e o bolsonarismo tentaram se aproveitar, a seu favor, de forma irresponsável e egoísta, das justas reivindicações econômicas da greve dos caminhoneiros. 

Começando pelo bolsonarismo, foram principalmente os seus simpatizantes que tentaram usar o caos gerado pela greve dos caminhoneiros para promover um golpe militar, travestido na proposta de uma “intervenção militar constitucional”. Mas não combinaram bem com os “russos”, pois as forças armadas não apoiaram essa tentativa de usá-los para promover uma ruptura institucional. O militares disseram, claramente, que são uma força constitucional da democracia, e não do autoritarismo. Esta foi a primeira lição desta crise, e não podemos fechar os olhos a isso diante de objetivo de tão clara proposta de implantar uma ditadura militar no Brasil.

O Lulopetismo, por sua vez, saiu da toca, e tentaram aprofundar o caos, chamando à fracassada greve dos petroleiros. O seu objetivo foi provocar o total colapso no abastecimento de combustíveis. Mas o movimento se viu isolado quando não foram apoiados pelos trabalhadores das refinarias e da Petrobras, pela sociedade - já cansada -, e pelo TST que decretou a ilegalidade da greve. 

Como a sociedade reagiu durante a greve dos caminhoneiros? Primeiro, reconhecendo a legitimidade das suas reivindicações econômicas; segundo dizendo não ao golpe militar; terceiro, dizendo não ao caos; quarto, recusando o “apoio” do sindicalismo pelego que nada fizera para defender a Petrobras enquanto ela estava sendo assaltada pelos seus correligionários! 

E, paradoxalmente, não existe saída fora da política! Mas não dessa política. E é preciso que se diga: é possível que a política seja a arte de construir e zelar pelo bem comum. Entre nós, brasileiros, isto não é apenas um ideal, isto é necessário e possível! Basta querermos!

Temer, eleito duas vezes vice-presidente de Dilma tem responsabilidade nesse caos? Certamente! Ele não é em nada diferente da lógica que cultuou o assalto exacerbado ao Estado promovido pelo projeto lulopetista para promover a conquista e a manutenção do poder político; esta semelhança o levou ao cargo e o fez sucessor de Dilma após o seu impeachment! 

Por que, então, manter Temer? Porque, simplesmente, para o Brasil, neste momento, não temos alternativa melhor, o que significa dizer que qualquer outra alternativa será pior!

POLÍTICA DAS MALAS

Aninha Franco, Correio da Bahia, 02.06.2018 

A impressão durante a ditadura de que nós morávamos num livro de Kafka com trechos do ‘Processo’, do ‘Castelo’ e da ‘Metamorfose’ acabou. Atualmente, vivemos num discurso de Dilma Rousseff interpretado por Michel Temer. Às vezes com panelas, noutras sem, mas sempre aos trancos e barrancos! Ninguém sabe como acabou a greve dos caminhoneiros, mas lemos que o governador de SP, Márcio França, do PSB, recebeu caminhoneiros intermediado por Alexandre Frota e, do palácio, eles telefonaram para Temer. Será que Frota, nesta ligação, exigiu Marcela Temer na Playboy de junho? Um dia saberemos, porque depois da Sedição das Panelas (2013) e do Levante da Lava Jato (2014) tudo que estava debaixo do tapete, tornou-se visível. 

As redes mostraram? As panelas falaram? As delações disseram? Não sei. Sei que abro a revista Isto É (Ano 41/2527) com a delação de Palocci e percebo um Brasil ninja, com milhões de reais saindo de obras superfaturadas para contas de políticos de todos os partidos como se fosse legal até 2014, quando ficou desaconselhável. E percebo que enquanto Lula da Silva dispunha do Ministério da Comunicação para nos empapar, todos os dias, desde 2003, de ‘Lula, o cara’, de Lula ‘o bom’, de Lula ‘o máximo’, de Brasil a caminho da primeira economia do planeta, as malas viajavam. E não fomos só nós brasileiros que acreditamos no ministério. Até o The Economist acreditou. 

Lula saiu do governo com aprovação estratosférica, e nós o parabenizamos por não tentar, como os caudilhos latinos tentam, como FHC nos impôs a reeleição, uma terceira gestão. Ainda assim, curiosamente, Dilma enfrentou um segundo turno em 2010 para vencer, passar o exército que a torturou em revista, demitir um ministério que Lula lhe deixou e passar quatro anos sem falar loucuras. 

Todos aplaudimos as demissões rousseffianas dos ministros e todos assistimos Dilma voltar atrás. Com certeza, passada a turbulência da chegada de Dilma ao poder de Lula, as malas de dinheiro de que fala Palocci em sua delação, devem ter voltado a viajar com desenvoltura. 

A exaltação da mandioca e a existência da mulher sapiens são de junho de 2015, mês e ano da prisão de Marcelo Odebrecht, talvez o mais poderoso ator dessa tragédia brasileira. Sua prisão deve ter levado João Santana a se descuidar dos discursos de Rousseff que, em outubro de 2015, lamentou o não estocamento de vento e não parou mais. Os lulopetistas que nomeiam o impeachment de 2016 de golpe desconhecem a força do verbo. E ignoram que a fala é a exposição mais clara do descontrole. 

Descontrolado pela Lava Jato, o PT assistiu o MDB, seu parceiro de malas e aliado, à época, aliado ainda hoje em muitos estados para as eleições de outubro, entrar de sola para tirar Rousseff do Planalto. Talvez o PT precisasse desse impeachment mais que o MDB. Dilma era o Planalto insano. Temer e o PT eram o Planalto bandido, e estavam tão confortáveis com as viagens das malas e com a impunidade, que Temer, presidente do país, recebeu Joesley para discutir propina dentro do Palácio. Todos donos de um projeto que a Sedição das Panelas (2013), a Lava Jato (2014), a prisão de Marcelo Odebrecht (2015), a prisão de Lula da Silva (2018) desmontaram. Projeto que explorava a miséria para manter o poder e fazer circular as malas. 

Essa disputa ingênua de direita, esquerda e centro desviou o Brasil do entendimento de que só existiu, desde 2003, certamente antes, possivelmente sempre, a política das malas. E que é preciso exigir a política de projetos.

domingo, 27 de maio de 2018

A chantagem contra o Brasil

A greve dos caminhoneiros já caminha para o fim, mas já dura sete dias, depois de ter causado grandes prejuízos ao país. Na noite deste domingo, 27/05/18, o presidente Temer anunciou as medidas acordadas com a liderança do movimento grevista. A nação espera que tenham sido suficientes para a volta à normalidade, até mesmo porque corresponde a benefícios que terão que ser arcados por todos os brasileiros.


O que nos ficará como lição? Que uma greve com esta natureza compromete drasticamente o deslocamento das pessoas, o abastecimento de alimentos, de combustíveis, e de outros insumos e produtos básicos e estratégicos? Que a interrupção desses fluxos de mercadorias causa imenso prejuízo à atividade econômica e riscos de caráter político-institucional? Que a vida das pessoas e das cidades se desorganiza e paralisa? Não, isso não é novidade. A derrubada do governo constitucional de Salvador Allende no Chile já ficara como lição; em 1972, começou com uma greve de caminhoneiros que durou 26 dias.

Dada a natureza dessa atividade, e por ser intensiva em capital, são os interesses dos proprietários dos caminhões e das empresas os que mais prevalecem neste tipo de greve. Portanto, não há surpresa de que se manifestem posicionamentos autoritários, atrasados e descomprometidos com a democracia. Esse é um corporativismo mais do que egoísta, tipicamente de direita. 

Exatamente por isso um grupo de manifestantes se sentiu confortável para plantar no asfalto, em frente à refinaria Duque de Caxias no RJ, em letras garrafais, a consigna: “...Intervenção Militar Já”. 

Mas a marca principal desta greve não é o risco que trás para a democracia, de produzir uma crise institucional, ao aproveitar-se, “oportunisticamente”, de um momento em que o governo Temer enfrenta o seu mais baixo nível de credibilidade. Não foi surpresa que setores democráticos insatisfeitos com o governo tenham emprestado inicialmente apoio à pauta das legítimas reivindicações econômicas do movimento antes de se conscientizarem das graves consequências da greve; nem que o candidato de direita, Bolsonaro, foi o que mais revelou desenvoltura em apoiar o movimento para capitalizar apoios; e nem que setores do velho sindicalismo e da esquerda lulopetista, tenham saído em campo para tirar proveito da fragilidade do governo. Mas, nem nestas questões, em que pese a sua gravidade, está a novidade!

A novidade está em que, exatamente no seu pior momento, com o governo em situação quase falimentar, sendo ele mesmo largamente responsável pela própria deflagração do movimento grevista, e diante de grave risco de sucumbir, ele conseguiu manter a governabilidade, articular uma reação das forças estatais para superar a crise institucional e a chantagem contra o Brasil, recuperar a autoridade, proceder às negociações indispensáveis e dar início à luta contra uma nova forma de impunidade! 

O governo, as forças armadas, a justiça e a cidadania uniram-se no compromisso com o Estado Democrático de Direito. E é por isso, com negociação e autoridade, que a greve dos caminhoneiros encaminha-se para o seu fim. 

Isto aconteceu porque revelou-se, em sua plenitude, a presença de uma complexa e horizontal militância democrática nas redes sociais e na sociedade para isolar os seus intentos golpistas. E o governo, a população, os meios de comunicação e as instituições econômicas, diante da crise, estão reafirmando seus compromissos com a democracia, sem o que caminharíamos para uma ruptura institucional regressiva. 

Toda crise é criativa. E esta faz parte de um movimento social que não está satisfeito com o funcionamento de nossas instituições políticas e exige o rompimento das barreiras que bloqueiam o desenvolvimento de nossa democracia! Que saibamos ler mais este aviso!