quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Porque o Centro Democrático e Reformista fracassou?

Vamos falar claro, não fomos, os democratas, antipetistas suficientemente! O que significa dizer, não fomos suficientemente radicais em nosso projeto de formação de um polo democrático e reformista.

Para sê-lo, e sermos para a sociedade um polo alternativo de grande impacto e credibilidade, o nosso projeto e posição precisaria ter se tornado claro, sem dubiedades e fácil de ser entendido.


Não o conseguimos até agora, e é preciso reconhecer que foi o “bolsonarismo” que ocupou esse espaço! O grave, para o Brasil, são os seus aspectos regressivos, traduzidos nos seus valores irracionais, autoritários e intolerantes, de um não-projeto, sequer esboçado formalmente, mas baseado em medos e falsos dilemas, que não resistirão ao tempo e não passarão pelo teste histórico, mas que são a matéria prima do fascismo.

O bolsonarismo representa a descrença na democracia e, lamentavelmente, para muitos jovens, ele é como o herói vingador que sai de dentro de um vídeo game, pronto a usar de toda a violência para exterminar os inimigos e os alienígenas. No Brasil, os inimigos principais são uma mistura confusa de políticos, comunistas, corruptos e diferentes. Ao final e ao cabo, não fugirá à regra da histórica desigualdade: os que pagarão a conta serão os pobres, as mulheres e os negros.

Se o bolsonarismo chegar ao poder trará muito sofrimento, particularmente à maioria da população e às camadas sociais desprovidas de poder; e sabe-se lá quanto tempo essa onda do atraso permanecerá!

Onde os democratas erraram? Penso que não conseguimos nos libertar de uma concepção do Estado não oligárquico, corporativista, conivente e leniente com o patrimonialismo. Tornamo-nos um país caro, improdutivo e corrupto. Neste sistema o valor das pessoas deixa de ser fruto do mérito e do reconhecimento social, e muito mais da esperteza, dos títulos cartoriais e dos sinais de riqueza que ostente!

Claro, num país assim deixa-se queimar museus, e pouco valor se dá ao conhecimento, à ciência e às inovações tecnológicas. Tornamo-nos um país de predadores egoístas, distraídos e omissos com os crimes ambientais e contra o nosso patrimônio público, histórico e cultural, que se perpetram à nossa volta diariamente!

As nossas instituições políticas e a nossa justiça são corrompidos e desacreditados, e temos sido coniventes com os criminosos de colarinho branco. Parece que a política deixou de ser a arte de cuidar do bem comum!

Mas um novo Brasil anseia por nascer! É preciso desbloquear a nossa democracia e criar uma sociedade em que não hajam cidadãos acima da lei!

Quando a Lava-Jato surgiu, como fenômeno novo, vindo de baixo, de renovação, conduzido por jovens profissionais da justiça, PF’s, procuradores federais e juízes de 1ª e 2ª instâncias, desnudando a corrupção dos poderosos, com provas, fatos e evidências, e usando a lei, a cidadania apoiou e aplaudiu.

Tudo parecia ir bem enquanto a Lava-Jato serviu como fornecedora de provas para o combate à corrupção petista, servir de pano de fundo para o impeachment de Dilma, para os processos que levaram à condenação e prisão de empresários e políticos corruptos ligados a esse projeto, de dirigentes do PT e, finalmente, diga-se, para a justa condenação e prisão de Lula.

Mas isso mudou quando os processados passaram a ser políticos e partidos não alinhados com o projeto petista! De repente, os que continuaram combatendo a impunidade começaram a ser chamados de “lacerdistas” e “jacobinistas”.

Estranhamente, formara-se uma aliança tácita suprapartidária e supra-ideológica para combater a Lava-Jato!

E Alckmin, um político com méritos indiscutíveis, não conseguiu ficar à margem de uma dubiedade prática e de discurso pois o seu partido, o PSDB, revelou-se tão envolvido com a corrupção quanto o próprio PT. Finalmente, no processo eleitoral, ao aliar-se aos partidos do centrão, que foram a base parlamentar dos governos petistas, e notórios assaltantes do Estado, essa dubiedade ficou mais do que evidente. O que passou para a sociedade é que Alckmin tentava restaurar um sistema de poder petista sem PT! Aparentemente, os eleitores estão preferindo o original!

Portanto, a chave da questão está em que os anseios de mudança, e a indignação com o crime organizado e a violência, foi capturada pelo discurso de direita e atrasado de Bolsonaro!

Esta é a razão pela qual o centro democrático e reformista não conseguiu ter um discurso marcado pela clareza e ausência de dubiedades!

Temos pouco tempo, o quadro eleitoral está polarizado pelos projetos populistas e autoritários lulista e bolsonarista. Dará tempo de mudar? Alguns dirão que já é tarde; respeitarei! Sei apenas que não podemos ficar sentados à beira da estrada! Comecemos falando a verdade para o eleitor! Talvez isso já faça a diferença!

Nenhum comentário:

Postar um comentário