segunda-feira, 12 de março de 2018

Ontologia versus Epistemologia

Não há quem tenha se debruçado sobre a metodologia da ciência natural ou social que não tenha tido que dar tratos à bola para compreender os conceitos de ontologia (se a realidade existe independente do pensamento humano) ou de epistemologia (relativa à forma pela qual o conhecimento pode ser adquirido). Todos, queiram ou não, em suas reflexões sobre a vida ou sobre o mundo que nos cerca, já tiveram que debruçar-se sobre problemas de natureza ontológica ou epistemológica.


O quadro acima é um recurso mnemônico para quem frequentemente precisa refletir sobre questões ontológicas e epistemológicas em sua produção intelectual. Aos que desejarem aprofundar-se encontrarão referências excelentes espalhadas em milhares de textos filosóficos ou que abordem a metodologia da ciência.

Para usar o quadro, uma breve descrição:

I. Em primeiro lugar, você deve observar as cores:
  • verde: ontologia, com suas duas posições polares; acima, o objetivismo; abaixo, o subjetivismo.
  • verde claro: os nomes mais comuns das posições filosóficas ontológicas.
  • azul: epistemologia, com suas posições polares; à esquerda, o empiricismo; à direita, o racionalismo.
  • azul claro: os nomes mais comuns das posições epistemológicas na metodologia da ciência; uma sucinta lista de alguns dos pensadores referenciais dessas posições. 
II. Em segundo lugar, observar os quadrantes da figura, no sentido dos ponteiros do relógio:
  1. objetivismo-racionalismo: um espaço vazio, pois não se compatibilizam a visão ontológica, de uma realidade existente objetivamente, portanto acessável pelos sentidos, observável e mensurável, com uma posição epistemológica de aquisição de conhecimento baseada inteiramente na razão.
  2. subjetivismo-racionalismo: as posições ontológico-epistemológica se compatibilizam colocando a metodologia da pesquisa científica como tributária inteiramente da razão.
  3. subjetivismo-empiricismo: um espaço vazio, pois não se compatibilizam uma realidade meramente subjetiva com as observações, fatos e dados observacionais que caracterizam o empiricismo.
  4. objetivismo-empiricismo: as posições ontológico-epistemológica se compatibilizam, ou seja o de uma realidade objetivamente existente com as observações e medidas empíricas.
III. A ciência moderna, livre de visões meramente polares, não prescinde nem da razão, nem da subjetividade, e nem, sobretudo, dos dados observacionais empíricos sobre a realidade objetiva que nos cerca. A pesquisa científica vale-se tanto da indução, a partir dos dados observacionais em busca de generalizações teóricas, quanto da dedução para testar hipóteses empiricamente a partir de prévias construções teóricas. Por isso, em uma de suas configurações mais prestigiadas denomina-se de método hipotético-dedutivo, como ilustrado na figura abaixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário